Mil Cores®- arte fotográfica / photographic art
Almada, Portugal, Tel. (+351) 212 959 212    

  Área pessoal (blog) de José Romão
    Conselhos, ficheiros úteis, novidades
Última actualização desta página: 170421
 Last time this page was updated: 170421

Finanças mentem: veja AQUI
Área pessoal de José Romão Conselhos e ficheiros úteis


ÍNDICE:
I. Câmaras
 A. Testes filme vs digital
  1. Teste de nitidez: slides 135 / sensor de 6,3Mp
  2. Teste de resolução: sensor de 8Mp / slides 135
 B. Amostras de fotos de câmaras digitais
  1. Sony Alfa 200: 10Mp DSLR
  2.
Canon A570IS: 7Mp compacta
 C. Alvo de teste da nitidez das aberturas
 D.
Potência de vários modelos de flash

II. Digitalizadores (scanners)  Novo / New (2016)
 A. De opacos (fotografias em papel)
  1. Epson V39

III. Monitores
 A. Imagens para teste de monitores. Software de visualização
 B. Instruções para calibração de monitores
 C. Opiniões sobre calibradores que testei
 D. Características dos bons monitores
 E. Opiniões sobre monitores que vi, incl. portáteis

IV. Notícias fotográficas

Nota: não reclamo a correcção ou veracidade científica de quaisquer opiniões aqui expressas, as quais resultam das minhas preferências subjectivas e avaliações sumárias, nem defendo que alguém deva seguir os meus conselhos.




I. Câmaras                                                                    
 A. Testes filme vs digital
     Será a imagem num slide 35mm mais nítida (com mais informação) que a duma câmara de 6MP? Sim (ver abaixo).
     Mas recolherá um sensor D-APS de 8Mp mais informação que a mesma área num slide de 35mm? Sim (ver abaixo).

    Testes efectuados no fim da aula prática do curso de Iniciação à Fotografia de Fevereiro de 2006, em que comparámos câmaras digitais de 6 e 8 Mega pixeis com rolo de slides de 35mm, para ver qual permitia obter imagens mais nítidas, como antigamente se comparavam 2 câmaras de filme, uma de pequeno formato com uma de médio formato, ou hoje se podiam comparar 2 digitais de 12Mp, uma full-frame (sensor do mesmo tamanho que 1 fotograma no filme de 35mm) e outra Digital-APS (sensor compacto mas de alta densidade).

    135 SLR vs DSLR:
Todas as câmaras em tripé e disparo via self-timer, a F8 e 100 ISO:
 . TIFF de RAW CRW de câmara
Canon 300D 6,3Mp, 1/250, objectiva Canon EF 28-80mm F3.5-5.6 III, distância focal = 35,0mm (o mesmo enquadramento que no filme), por Bruno Amaral.
 . TIFF de RAW CR2 de câmara
Canon 350D 8Mp, 1/250, objectiva Canon EF 50mm F1.8 II (a mesma distância focal usada para o filme), por Paulo Malta. Conversão RAW em TIFF via Camera Raw 4.4.1 do Adobe Photoshop CS3, diminuindo a sobreexposição do original para -2,25 (e mantendo os valores pré-definidos Blacks 5, Br+50 Ct+25), 0% de Nitidez, 0% de Redução de Ruído de Cor.
 . Filme diapositivo (slides)
Kodak E100VS formato 135 (“35mm”) em câmara Nikon FM2N, objectiva Nikon AIS 50mm F1.8 Série-E com filtro UV Nikon L37C, a 1/500 (EV=0), digitalizado a 4000dpi num Nikon Super Coolscan 4000 ED, sem ICE, 16x multi-amostragem, 14 bits/canal.

  1. Teste de nitidez: slides 135 / sensor de 6,3Mp
  O enquadramento das 2 imagens: filme e digital

Clique na imagem para ampliar
Detalhe das 2 imagens

Clique na imagem para ampliar

  2. Teste de resolução: sensor de 8Mp / slides 135
  O enquadramento das 2 imagens: digital e filme

Clique na imagem para ampliar
Detalhe das 2 imagens

Clique na imagem para ampliar

  Resultados: quando se fotografa a mesma coisa (o mesmo enquadramento, ou seja, cobre-se a mesma área do cenário), a foto em filme (mesmo o Kodak E100VS que não é dos mais nítidos) tem melhor nitidez (mais informação) que em formato digital de 6,3Mp (e provavelmente 8Mp). Mas quando se analisa a informação que cada sistema consegue registar na mesma área (por exº: 1 cm2) do sensor ou do filme, a imagem do sensor de alta densidade de 8Mp (e possivelmente do de 6,3Mp) é mais nítida (tem maior micro-contraste e mais informação por unidade de superfície do suporte) que o filme diapositivo Kodak E100VS.
  Adicionalmente, o sistema digital produz superfícies mais limpas (sem grão) e melhores linhas horizontais e verticais, e o filme melhores linhas diagonais e curvas.




 B. Amostras de fotos de câmaras digitais

  1.
Sony Alfa 200, 10Mp DSLR c/ 18-70mm F3.5-5.6
     
      Clique na imagem para ver a 1:1 um corte da parte central do JPEG original.
      Fotografado em automatismo total. Boa nitidez sem artefactos. Cores fieis.

 
2. Canon A570IS, 7Mp digital compacta
     
      Clique na imagem para ver o JPEG “original”.
      Na câmara: cor saturada, nitidez no mínimo.




 C. Alvo de teste da nitidez das aberturas / aperture sharpness (resolving power) test target/chart

    Nitidez - Abertura Alvo 1 80x263
    Para passar a obter fotografias com o máximo de nitidez óptica, este teste permite descobrir, para cada objectiva, qual o valor da Abertura que propicia a máxima nitidez. Clique na imagem para descarregar o ficheiro (513 KB). Imprima-o. Pode cortar em quatro alvos e usar 1 na horizntal e outro oblíquo 45º e 2 no centro da imagem e 2 num canto. Cole os alvos com fita-cola à parede. Fotografe os alvos com tripé e sem Estabilização de Imagem (sempre o mesmo enquadramento), cada foto com um valor de Abertura diferente (anote-os), mas todas as fotos com igual quantidade de luz (IE=0). Compare a nitidez das fotos no Photoshop® colocando cada foto numa camada, desligando e ligando o "olho" de visualização de cada camada. Ou compare duas a duas no Galeria de Imagens do Windows® Vista® abrindo cada imagem numa instância diferente do programa e passando duma instância para a outra clicando na barra duma delas localizada na Barra de Tarefas (Taskbar) na parte inferior do ecrã, ou seleccionando todas ou só 2, abrindo-as e passando de uma imagem para a outra com a tecla seta para a frente ou trás. Repita com outras objectivas.




 D. Potência de vários modelos de flash                 




II. Digitalizadores (scanners)  Novo / New (2016)
 A. De opacos (fotografias em papel)
  1.
 Epson V39
     O digitalizador Epson V39 infelizmente gera linhas verticais mais escuras sobre as zonas claras homogéneas das fotografias, artefactos que não aparecem usando os digitalizadores Epson 3200 ou Epson V550 (de sensor CCD). Dificuldades em instalar o software. O programa ArcSoft Scan-n-Stitch Deluxe 1.1.2.55 cola mal as imagens.

  Deixa riscos (artefactos) nas zonas médio-claras

Clique na imagem para ampliar
Junta mal os A4 para fazer A3

Clique na imagem para ampliar




III. Monitores

 A. Imagens para teste de monitores, antes e depois de calibrados. Software de visualização


                  
    Clique nas imagens para as descarregar (70 KB cada). Se não as conseguir abrir, descarregue as versões sem compressão LZW (3,9 MB cada), clicando em Folders2.tif, Shadows.tif e Highlights.tif

 Interpretação da imagem Folders2: antes de calibrar, a barra cinzento-claro (que indica que a coluna "Nome" é a que está seleccionada) aparece colorida (excepto nos bons monitores que já vêm muito bem adaptados ao sinal das placas gráficas e a calibração quase não necessita de alterar as curvas de R, G e B). O "X" vermelho na imagem (que indica que não há internet) é muito luminoso nos melhores monitores (com maior espaço de cor, ie, cores mais saturadas). O amarelo das pastas não deve ser alaranjado, coisa que falha na maior parte dos monitores. As setas verdes (Retroceder e Avançar) vêem-se verde-alface claro e luminoso nos monitores mais saturados. Após calibrar, veja se a barra cinzento-claro ficou sem qualquer desvio para outra cor.

 Instruções para usar as imagens Shadows e Highlights: antes de calibrar com um colorímetro, ver se alguns quadrados CINZENTOS têm cor (monitor descalibrado) e anotar até que valor se consegue ver; após calibração conseguem-se distinguir tons até valores mais extremos.
  1.
Ver as imagens no Photoshop, Safari 4 (Mac & PC, gratis), ZoomBrowser EX da Canon (activando a gestão de cor), ou no Galeria de Fotos do Vista em modo normal (não de slide-show*), ou outro software que abra TIFFs e tenha gestão de cor (teste o seu) pois estas imagens estão em sRGB para as cores não variarem.
  2. Ver a 100% (1:1) e não reduzidas ou ampliadas. Olhar de frente (de âgulos extremos vê-se mais, mas não conta). Facilita se se mover a figura no ecrã (por exemplo, em círculos), se escurecer a sala e, na imagem escura ("Shadows"), se não tiver outras áreas luminosas no écran (ie, se o fundo fôr preto). Só contam os quadrados que ainda se consegue ver que são quadrados e não como manchas sem delimitação precisa (estas manchas também se podem anotar, mas escrevem-se entre parêntesis);
  3. 0s quadrados são cinzentos (excepto os indicados por letras), isto é, não devem apresentar cor.
*: Num
EIZO CG210, usando as imagens de teste acima, distinguem-se os quadrados:
    1-254RGB+W no
Photoshop ou no Galeria do Vista,
    4-253RGB no modo slide-show do
Galeria do Vista,
    4-254RGB+WZ no
Picasa do Google,
    7-253RGB no
Visualizador de Imagens e de Fax do Windows XP (embora com outro perfil, que dá 2-254RGB+UVWY no Photoshop).
  Além disso, o
Galeria do Vista em modo de slide-show, tal como o Visualizador do XP, não usa perfis de cor adequadamente. No Visualizador do XP, imagens em sRGB aparecem iguais às sem perfil e as que são em aRGB aparecem com cores diferentes e menos saturadas do que se vê no Photoshop (o Microsoft Office Picture Manager comporta-se como o Visualizador do XP), é menos nítido que o Internet Explorer 6 e, como o Photoshop CS3 infelizmente (no CS4 é opcional, felizmente), põe um filete preto à volta das imagens, ficando-se sem saber se são pixeis da própria imagem, por exemplo depois de digitalizar slides onde pode ser preciso verificar se a digitalização apanhou parte do caixilho). No web browser IE6, as imagens vêem-se sempre sem perfil, quer não tenham, quer tenham o perfil sRGB ou o aRGB; idem para o Paint 5.1 (2001) da Microsoft e o QuickTime Picture Viewer 7.4.5 (2008!) da Apple. O Safari 4 tem excelente gestão de cor: mostra as imagens com perfil no respectivo espaço de cor e deixa sem gestão de cor imagens sem perfil, texto e áreas coloridas das páginas da web; é descarregar (Apple e Windows, gratis), instalar e usar; idem para o Firefox 3.5 (gratis), embora ainda sem gestão de cor para os perfis ICC de versão 4 nem abra TIFFs.

 Após calibração, a seta do cursor (ponteiro) ou mão, permanecem sem prefil, revelando a diferença na cor antes e depois.

 Veja se o seu monitor está calibrado também AQUI.




 B. Instruções para calibração de monitores com i1 (Eye-One LT da X-Rite/Gretag-Macbeth)
Para descarregar a versão mais actual (de 120727) do meu ficheiro de instruções, clique AQUI.

Veja também como calibrar com o software da LaCie (ressalvando que, quando olhamos para um ecrã numa sala iluminada por uma luz de determinada cor, exº alaranjada, este parece da cor complementar, neste caso azulado, ao contrário do que é afirmado).




 C. Opiniões sobre calibradores que testei               
  1. Hardware (colorímetros)
   Prefiro os resultados do
i1 (Eye-One LT da X-Rite/Gretag-Macbeth) ao Spyder3 Elite 3.0.4 (Datacolor/ColorVision) e estes, de longe, ao Spyder2 Pro 2.3.5, o qual deixou o ecrã levemente azulado, apesar de calibrado para 5000K (= D50) com o software Pro da Datacolor, e sem se distinguirem as sombras abaixo dos 12RGB! Mesmo com o i1 os perfis saem diferentes de cada vez, quer na tonalidade dos cinzentos (que nem sempre fica neutra), quer nos valores de RGB que ainda se conseguem distinguir do preto ou do branco, pelo que acabo por escolher o perfil que me parece melhor: neutro e que consiga mostar os valores de RGB mais extremos.
   - Num
EIZO CG210 a 82 cd/m2, 5000K, gama 2,2, ligado a um portátil Asus F3Jr (vendo no Photoshop as imagens de teste acima):
       com
i1 (LT), distingue-se BDF+1-254RGB+ZW e os cinzentos são neutros;
       com
Spyder3 Elite 3.0.4, distingue-se 2-254RGB+UWY e os cinzentos são neutros (Gray Balanced Calibration).
   - Num portátil
Asus F3Jr a 86 cd/m2, 5000K, gama 2,2:
       com
i1 (LT), distingue-se 2-254RGB+UWY e os cinzentos são neutros;
       com
Spyder3 Elite 3.0.4, distingue-se 4-254RGB+UWY e os cinzentos são neutros (Gray Balanced Calibration);
       com
Spyder2 Pro 2.3.5, só 12-254RGB+UWY e os cinzentos ficaram azulados.
   - Num portátil
Vaio FS215S a 87 cd/m2, 5000K, gama 2,2:
       com
i1 (LT), distingue-se 3-254RGB+WXZ (A!-253RGB no ZoomBrowser e no Safari 4, cujo gama vem provavelmente a 1,8) e os cinzentos são neutros;
       com
Spyder3 Elite 3.0.4, distingue-se 6-254RGB+UWY e os cinzentos são neutros (Gray Balanced Calibration, que resulta na melhor cor).

  2. Software de calibração (e pós-calibração)
   A versão 3.6.2 do software
iMatch (da X-Rite/Gretag-Macbeth) é ainda melhor qua a anterior, e, entre outros, informa-nos qual a Luminância (brilho) a que um monitor se encontra.
   Prefiro o
iMatch (da X-Rite) ao ColorNavigator (da EIZO): os resultados são equivalentes mas o 1º acaba por ser mais prático. O 2º tem mais opções mas acabam por não se poder usar adequadamente: exº, para reajustamento manual das 6 cores via software é preciso ter um calibrador ligado ao computador! E esse ajustamento só permanece durante essa sessão, não fica gravado no perfil ("The 6 color adjustment does not reflect to the profile"). É mais prático mudar nos botões do monitor e anotar os valores. O ColorNavigator da EIZO perde também os perfis se o software fôr reinstalado! No ColorNavigator da EIZO não convém calibrar no modo Priority on Grey Balance, que perde o preto (fica sem contraste, embora se consigam distinguir valores mais extremos de RGB), mas sim no Contrast Mode clássico.
   Dentro do
ColorNavigator (da EIZO) prefiro a versão 4.3.0 à 5.0.1, pois esta não permite duplicar e renomear um perfil e aborta frequentemente no Vista.
   O software
Elite 3.0.4 (da Datacolor/ColorVision), ao contrário do ColorNavigator da EIZO, deve ser usado no modo de Gray Balanced Calibration senão os cinzentos ficam levemente azul-magenta, não-neutros (embora se consigam distinguir valores mais extremos de RGB, principalmente os claros). Prefiro o iMatch (da X-Rite), pois embora o Elite 3.0.4 tenha algumas vantagens (exº: no Windows XP ou Vista encontra o hardware e instala o driver sem perguntas, o Spyder3 lê a luz ambiente sem levantar do monitor, tem um "equalizador" para re-ajuste manual fino das curvas em 9 zonas do 0 ao 255 RGB), o Spyder3Utility.exe que não serve para quase nada tem que ficar sempre a correr no System Tray e Currently Running Programs pois se se tirar deixa de carregar o perfil no Arranque do computador, apresenta valores levemente diferentes para o Black Point conforme o passo na calibração em que se está e para o White Point conforme se vá ver via Validation ou Info/Delta E, parte das instruções no monitor ficam cobertas pelo sensor, para aceder a todas as funcionalidades tem que se ir a vários sítios diferentes (System Tray ou ícone no Desktop ou Iniciar/Todos os Programas), não tem botão "X" para sair do programa a meio ou fechar a janela do Studio Match (só via File, Quit), CheckCAL aparece noutro lado como ReCAL, etc...
   O pior software é o
Express (da Datacolor/ColorVision), que não deixa calibrar a 5000K.
   Para mudar rapidamente de perfil (após calibração), destaca-se o software
Profile Chooser (vem com os Spyder): permite com 1 click mudar instantaneamente entre perfis criados pelo calibrador deles, mostra a itálico os que não foram criados pelo software da ColorVision e sem ser a bold os perfis que não calibraram o sinal da placa gráfica (exº os da EIZO que calibram no monitor). Todavia, pode tirar um perfil em uso que não seja ColorVision, mas já não o consegue repôr.




 D. Características dos bons monitores                       
 Monitores EIZO (e alguns outros):
  . Não azulados. Praticamente todos os EIZO já vêm preparados, mesmo sem calibração (basta ligar o monitor ao computador), para compensar o sinal RGB a 6500K das placas gráficas, mostrando branco em vez de branco-azulado e as restantes cores mais reais e não azuladas.
  . Ângulo de visualização amplo (>= 160º): luminosidade e cor inalteradas mesmo que olhemos de diferentes ângulos. Praticamente todos os EIZO, mas mais perfeito nos topo de gama (não necessariamente os mais caros, exº
EIZO L997).
  . Cores certas: fidelidade na reprodução das cores. Mais preciso nos EIZO melhores.
  . Botões para regular à mão (matiz e des/saturação) cada uma das 6 cores: Red, Green, Blue, Cian, Magenta, Yellow. Só nos EIZO melhores.
  . Espaço de cor grande (gama de cores mais próxima da visão humana): "saturação" (mas mantendo os tons de pele naturais e os cinzentos neutros). Muitos EIZO, mas especialmente nos topo de gama.

 Conselhos:
  . Não se fique pelos números e especificações técnicas. Por exº, há monitores tecnicamente com menor contraste mas parecem-nos muito mais contrastados (preto muito escuro, branco muito limpo), exº
EIZO CG210 versus EIZO S2231W; a cor "perceptual" é mais importante. Não há como VER (especialmente depois de calibrado com colorímetro, o que não se pode fazer nas lojas).
  . Não tenha expectativas exageradas quanto ao que se vai ver no ecrã (excepto no caso do
EIZO CG221, onde se tem uma experiência visual única, e em parte nos novos que estão a sair, também com amplo espaço de cor, quasi-aRGB). Não esperar dum bom monitor mais que não ter defeitos, ie, ter bom ângulo, cores fieis (o que inclui cinzentos de facto neutros), bom preto e bom branco, amplo espaço de cor (cores saturadas, luminosas).




 E. Opiniões sobre monitores bons ou muito bons que testei ou vi, incluindo os melhores de computadores portáteis

   1º:
EIZO CG221: o melhor monitor; muito caro
     Algumas cores, de tão fluorescentes, parecem estar acima do plano do monitor. Muito nítido. Botões iluminados.

   2º:
EIZO L997: o mais barato dos muito bons; excelente razão qualidade/preço
     O "segredo" é o
EIZO L997 ser a mesma máquina (painel) que o EIZO CG210 (ver abaixo), mas por menos de metade do preço! Nas outras marcas só há 1 modelo por painel; na EIZO normalmente há vários. Tom's Hardware: Espantosamente preciso, perfeito CNet: Excelente.
     O
EIZO CG211 vem com o software da EIZO que permite mais facilmente mudar ou ajustar perfis, além de calibrar, vem com um certificado de fábrica, tem certificação SWOP e traz um hardware novo (2007) para uma distribuição ainda mais homogénea da luz no ecrã do que o EIZO CG210 ou o EIZO L997 (que já têm uma alta uniformidade).

   3º:
EIZO CG210 (o que uso): de confiança; caro
    Num portátil
Asus F3Jr (placa gráfica ATI), o EIZO CG210 calibrado pelo i1, a 5000K, gama 2,2:
      a 82 cd/m2 distinguem-se (nas imagens de teste Shadows.tif e Highlights.tif) os quadrados BDF+1RGB a 254RGB+ZW e o contraste é de 410:1 (ponto branco = 82,0 cd/m2 / ponto preto = 0,2 cd/m2);
      a 171 cd/m2 (brilho no máximo) distinguem-se os quadrados BDF+1 a 254RGB+UVWY e o contraste é de 426:1.
    
Pontos fortes: 97% das cores certas. Saturado. O preto mais escuro que já vi num monitor. Excelente branco. Sem problemas de ângulo. Sem defeitos excepto: Pontos fracos: Levemente mais claro no canto superior esquerdo. Só para sinal digital (DVI-D, DVI-I ou HDMI via adaptador), se VGA gera imagem fantasma. Botões não se vêem bem, um inconveniente dos modelos EIZO em preto, mas felizmente RARAMENTE se usam.

   4º:
LaCie 321: tão bom quanto o EIZO L997, mesma ordem de preços

   5º:
EIZO S2111W: o mais barato dos bons. Não testei a reprodução dos tons escuros (em Shadows.tif).
    
Pontos fortes: tudo parece bem, cores saturadas (exº vermelho). Pontos fracos: TALVEZ(?) muito ligeira heterogeneidade na distribuição perceptual da luz.
     
O EIZO CE210W deve ser igual ou melhor.

   6º:
EIZO S2231W: o mais barato dos quasi-aRGB; boa razão qualidade/preço
     Calibrado pelo
i1, 5000K, gama 1,8 num Apple (distinguem-se melhor as sombras que nos PCs, de gama 2,2):
       a 90 cd/m2 vê-se A!-254RGB+WYZ, 0,1-89,4cd/m2 => contraste 894:1;
       no máximo de brilho (Luminância), 215,3 cd/m2, min. = 0,2 cd/m2, contraste 1077:1.
    
Pontos fortes: O monitor mais fácil de ver TODOS(!) os tons escuros. Saturado. Sem problema de ângulo. Ao alto fica bem (rodar 90º na placa gráfica). Pontos fracos: a 89,4 cd/m2 e 5000K, o branco parece um pouco escuro e quente e o preto não parece muito escuro. Amarelo levemente alaranjado*. Luz vagamente não-uniforme**, cião em baixo e canto inf. esqº? *, **: A versão EIZO CG222W é provavelmente melhor por permitir regulação de cada uma das 6 cores e ter mecanismo para distribuição homogénea da luz. O espaço de cor deste é maior que o do CG210.


      Dos
computadores portáteis que tenho visto, praticamente todos têm monitores com mau ângulo (estreito, desadequado a trabalho fotográfico), mas alguns têm um espaço de cor amplo (atenção: nem todos os iluminados a LEDs são mais saturados); entre os que têm cores mais vivas e com bom preto estão:
        141228: ASUS TP300L (ângulo razoável), Tablet Samsung S (ângulo razoável), Tablet Sony XPERIA Z2.
        Modelos anteriores:

Samsung NP730U3E-X02PT e -S01PT (ângulo razoável), Vaio Duo 13 (ângulo razoável), HP Spectre XT 15-4100ep, Vaio Pro 13, Asus G750JX-T4204H, HP Envy 17-jo11sp, Toshiba Qosmio X70-A12K, Toshiba Satellite P70-A-107, Samsung 870Z5E-X01E (ângulo razoável), Vaio SE2X9E (ângulo razoável),  Vaio SE2K9E (ângulo razoável),  Vaio Z21x9E/BVaio F23Z1E/BIASUS G74SX V3G 1ATZ, Vaio AW21Z/B, Z51WG/B, FZ11Z, Z21WN/B, Z41WD/B e o Acer Aspire 8920G (embora neste os cinzentos escuros e claros permaneçam avermelhados mesmo após calibração com o Spyder 3 ou com o i1 LT), bem como o Dell XPS L502X, os Vaio F12Z1E, F12S1E, F11S1E, X11S1E, TT21WN/B, FW41ZJ/H, FW41M/H, FZ11S, FZ21Z e FZ31Z (atenção: nem todos os sub-modelos deste o são), alguns MacBook Pro ("Glare") e finalmente os Vaio TZ11XN/B, FE11S, AR21M, o Asus G2S e o Toshiba Osmio F30.




IV. Notícias fotográficas               Veja com fotos no Facebook®

170412: Nikon D3400 - primeira reflex acessível da Nikon com boa qualidade de imagem em muitos anos: cores, nitidez (não tem filtro anti-moiré). APS-C, 24MPixeis, RAW 12-bit.

160618: Pixel Shift (Microscan das Sinar desde 2001) chega finalmente ao pequeno formato, na Olympus E-M5 II (2015), Pentax K-3 II e Pentax K-1: maiores nitidez e amplitude luminosa, menor ruído e sem moiré

160618: Ultra-macrofotografia de insectos de Oxford via objectiva de microscópio colada à frente (na tampa) duma objectiva de telemacro, empilhamento de foco e costura, por Levon Biss. Amplie e amplie...

160406: Ver o efeito da distância focal na perspectiva, enquadramento, rectilinearidade/distorção (crítica em retrato e arquitectura), profundidade de campo

160406: Primeira câmara com Empilhamento de Foco: Olympus OM-D E-M1 com o Firmware upgrade Versão 4.0 de Novembro 2015, mas ainda com limitações

160406: Fungos australianos com empilhamento de foco por Steve Axford. O Empilhamento de Foco é uma técnica para aumentar a profundidade de campo (focado/nítido)

151110: Algumas câmaras digitais com más cores (céu magenta):
 Canon 5DMarkIII/70D/750D; Fujifilm S1; Nikon D610/800/3100/3200/3300/5100/5200/5300/5500; Pentax K5

151110: ISO 4.000.000 (fotodetectores 7,5x maiores, 2.2MP, Full HD) este Dezembro na câmara de Video/TV Canon ME20F

151110: Sony Alfas tornam-se EVIL (Electronic Viewfinder Interchangeable Lens), mas o visor ainda é inferior ao óptico

151110: Exposição "A Rainha D. Amélia e a Fotografia"

 
"Não posso deixar de lhe dar os meus parabéns pela nova secção didática que criou e espero que a vá alimentando com mais temas. Muito útil de verdade."
José Ferreira
 
Opiniões sobre:
Curso de Iniciação à Fotografia, Workshop Prático de Fotografia de Natureza, Curso de Composição Fotográfica, Curso de Adobe® Photoshop® Básico, Curso de Introdução ao Lightroom®, Curso de Camera Raw & Bridge®, Passeio Fotográfico Roca-Ursa, Passeio Fotográfico Abano-Grota, os nossos cursos de Fotografia, a nossa a loja, livro Cabo da Roca, monitores EIZO, banco de imagens, digitalizações, blog de José Romão, este site.

Grave a bookmark deste site
Please
bookmark this site

Receba a nossa Newsletter
Subscribe to our

Contacte-nos
Contact us

 
TOPO
VISITA GUIADA
GUIDED TOUR
HOME
Mil Cores - arte fotográfica Contactos da Mil Cores - arte fotográfica